quarta-feira, 18 de maio de 2011

Bons filmes.... Sempre muito bons filmes !!!!!!

Acabei de assistir "o Poderoso Chefão. Em tempo de grandes bilheterias (velozes e furiosos Justin Beber e sei la mais o que. Faz bem rever grandes filmes e que ja foram grandes bilheterias. Conta a saga da Familia Corleone e o filme consegue retratar uma nova York como uma pintura, com cores e luzes que nos remete aos anos 20, com mafiosos, bandidos, corrupção numa trama envolvente e emocionante. Com Robert de Niro, Al Pacino,Marlon Brando, Diane Keaton e com a direção majestosa do Coppola com uma trilha espetacular (Nino Rota) baseado no livro homônimo de Mario Puzzo. Acho importante rever grandes filmes e grandes diretores para nao pensarmos que o cinema só tem tranqueiras que o departamentos de marketing dos estúdios nos empurra. para quem nao conhece e bom conhecer para que ja conhece e bom rever. Sou viciado em bom cinema.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

OS ELEMENTOS (PLANOS) QUE DETERMINAM A LINGUAGEM CINEMATOGRAFICA

Os elementos que determinam a linguagem cinematográfica, são cinco, e tem funções especificas para definir como a imagem vai aparecer na tela. Eu optei por utilizar uma nomenclatura em português, sempre que possível, para nomear os planos e ações decorrentes da utilização destes elementos.Em muitos livros existem as nomenclaturas em inglês ou francês, que também são validos.
1 ENQUADRAMENTO
É a ação de enquadrar uma imagem dando-lhe a dimensão exata de como ela será apresentada aos espectadores. Em suma é o plano que vai ser apresentado na tela do cinema ou da televisão. Para a escolha adequada deste plano ou forma de apresentar a imagem, existem tipos de enquadramentos que servem para evidenciar o que se quer transmitir.
PLANOS DE AÇÃO COSMICA OU ESPACIAL - São aqueles tomados de grande distância, sem nenhum compromisso sonoro ou visual com o contexto da História a não ser o de determinar geograficamente, onde transcorre a ação. Eles são basicamente três:
clip_image002GPG - Grande Plano Geral, podem ser cenas aéreas ou mesmo terrestres, aonde não se identificam vozes, sons ou personagens .Plano típico do cinema. Tem como principal função descrever o cenário. Por ser um plano com ângulo de visão muito aberto é praticamente impossível perceber a ação ou identificar os personagens. Devido à grande quantidade de pormenores, o GPG necessita de um tempo maior de projeção, para que o espectador perceba os detalhes da imagem. No cinema, normalmente, um grande plano geral tem uma duração variando entre 8 e 12 segundos.
PG - Plano Geral, embora mais próximo do que o plano anterior, serve apenas para apresentar o local onde ocorre a ação, sem identificar falas ou personagens. plano geral possui um ângulo de visão menor que o GPG. Percebe-se a figura humana,porém, é difícil reconhecer os personagens e a ação. O PG é um plano descritivo e serve, principalmente, para mostrar a posição dos personagens em cena. No cinema o PG tem duração de 5 a 9 segundos.

PC - Plano de Conjunto, também com a função de localizar a ação, por ser mais próximo, pode ser acrescido de ruídos, falas e gritos. O plano conjunto apresenta o personagem, ou um grupo de pessoas no cenário, e permite reconhecer os atores e a movimentação em cena. A ação, no entanto, não é visualizada nós mínimos detalhes. Por exemplo: se uma atriz coloca alguma coisa no bolso do paletó de um ator, percebe-se o movimento dos braços e das mãos, sem, no entanto, identificar-se o objetivo. É por este motivo que o PC é um plano com caráter descritivo e narrativo, com uma tendência maior para a descrição, já que as ações não são totalmente percebidas. No cinema a duração de um PC varia, em média, de 4 a 8 segundos.
A duração de cada plano e uma sugestão e o tempo exato  de cada plano fica a cargo do diretor ou montador e o critério e a narrativa que a direção de arte pretende dar ao filme.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

NARRATIVAS CINEMATOGRAFICAS

 

Os tipos de narrativas utilizam-se dos recursos de montagem, a manipulação do tempo/espaço, utilização da iluminação e outros meios para construir um enredo, contar uma história. As formas narrativas influenciam o psique do espectador para que ele tenha as sensações que o diretor deseja causar.

Os principais tipos de narrativa.

Linear – É a narrativa que tem apenas um fio condutor. A história tem um começo, meio e fim, sem interferências. Comerciais de TV 

Binária – É a narrativa em que desenvolve duas histórias paralelas independentes até chegarem num ponto de cruzamento e chegar ao final.

Circular – É a forma narrativa em que a história termina onde começou, fechando-se assim um círculo. A história reencontra o seu começo para terminar. Titanic Titanic

Inserção – É a narrativa na qual o tempo e o espaço são manipulados na edição de montagem e criando o seu ritmo. Estes filmes são também chamados de filmes de montagem. Uma característica fundamental é o fato de que para realizar estes tipos de filmes, todas as cenas que vierem a ser utilizadas são filmadas, com a mesma direção de fotografia ,não se lançando mão para arquivos ou “stock shots”.

Fragmentária – É caracterizada pela desorganização de imagens de diversas procedências, filmadas pela a equipe que vai realizar o filme, compradas de arquivos ou de “stock shots”.Alguns Vídeo clipes

Polifônica – É a forma narrativa onde são contadas diversas histórias se desenvolvendo simultaneamente. -pulp-fictionNão ocorre necessariamente uma ligação entre elas. Este tipo de narrativa exige muito conhecimento de como fazer e não é muito comum pela dificuldade. Pulp Fiction .Imagens de stockshot sao imagens compradas de bancos de imagens. 

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Cenas e seqüências por indiana Jones

Quando contamos uma historia a uma pessoa, nos preocupamos em contá-la de forma linear pois assim ela nos compreenderá melhor.Quando lemos um livro, temos vários capítulos e que somados, os capítulos darão o entendimento da estória. No cinema acontece o mesmo só clip_image002que chamamos de cenas e seqüências, uma seqüências e composta por varias cenas que contam uma pequena parte da historia e a soma das varias seqüências e que dará a compreensão do filme e assim o seu entendimento da estória.No cinema usamos cenas e seqüências ai temos a os rudimentos da narrativa e da montagem artística que são as historias paralelas criadas por Edwin Porter. Agora começamos a falar de linguagem cinematografica, a gramática das imagens. Como exemplo peguei um trecho do filme Indiana Jones e os caçadores da arca perdida Um clássico de aventura que emociona muito, alias a serie toda. Se lermos a claquete do filme, vamos ver as informações sobre cenas e seqüências.

 Seq.1

Seq.2

A montagem diz respeito a narrativa ou seja a forma como queremos que a nossa historia seja entendida pelo nosso publico. Estas narrativas podem ser de varias formas, linear ,binária ou polifônica .

terça-feira, 22 de junho de 2010

Viagem a lua

 

clip_image002[1]Quando surgiu o cinema o publico experimentou uma nova forma de emoção, o mais espetacular meio de comunicação que a humanidade já viu. Logo classificada como a 7º arte e não era para menos, historias contadas através de imagens, com sensibilidade,envolvimento , impacto e nelas pessoas desaparecem, monstros , viagens inimagináveis. E foi pelas mãos do francês Georges Méliès, um ilusionista que percebeu a potencialidade da câmara de filmar. Méliès criou a trucagem. A princípio foi um acaso. Certa vez, a câmara que usava parou. Quando voltou a funcionar, Méiiès prosseguiu seu trabalho normalmente. melier 3 Ao ver o filme pronto, percebeu que algumas coisas haviam mudado: os objetos e as pessoas não ocupavam mais as mesmas posições. Bastou isso para ter o grande clique. Se, em vez de parar o filme por acaso, o parasse sistematicamente e substituísse certos elementos, faria surgir e desaparecer coisas, como um ilusionista. Ora, Mélíès era um ilusionista, antes de ser cineasta. Isso foi o suficiente para desenvolver o processo e fazer de seus filmes espetáculos de pura magia. Desde 1896, Méliès encantou o público com vários filmes em que um diabo bem – humorado aparecia e tirava as coisas do lugar. Ele nos levou à Lua (nossa primeira Viagem Lua), deu imagem às Viagens de Gulliver às aventuras de Robinson Crusoé, Vinte mil léguas submarinas.  Conta a história de um grupo de homens, liderados pelo prof. Barbenfouillis (interpretado pelo próprio Méliès), que viajam até à Lua, onde têm o prazer de assistir ao nascer da Terra no horizonte, são capturados por Selenitas e conseguem escapar. A viagem consistiu em serem disparados dentro de uma cápsula, por um grande canhão; daí deriva esta imagem, muito famosa (surge inclusivamente no videoclipe da música "Heaven for Everyone", dos Queen, juntamente com outras cenas do filme), da Lua com essa cápsula 'enfiada' no olho direito.George Méliès pretendia lançar este filme nos Estados Unidos da América e tirar daí algum proveito financeiro. Infelizmente, técnicos cinematográficos americanos já tinham feito cópias do filme (secretamente) (pirataria ),melier 4 que foram exibidas por todo o país no espaço de poucas semanas. Méliès nunca lucrou um centavo com a exibição do filme nos EUA. Nota: Meliés é efetivamente um cineasta importantíssimo, mas não era especialista em ficção científica. Era sim, especialista em fantasia (no geral), um ex-ilusionista Magico que iniciou o uso das 'trucagens' (efeitos especiais) no cinema. Numa homenagem merecida Tom Hanks produtor da serie da “Terra a lua “ produzida por para TV abriu com imagens do filme de Mélíès, alias a serie é ótima recomendo .

“Senta que la vem historia”

Muito se fez ate chegada do cinema no formato que conhecemos hoje, e um conceito básico fundamental foi descoberto pelo cientista inglês Peter Mark Roger sobre o fenômeno da persistência retiniana (a fração de segundo em que a imagem permanece gravada na retina ¼ de avos de segundo). Baseados na descoberta, alguns aparelhos são criados para captar a imagem do movimento. Por outro lado, o surgimento da fotografia, desenvolvida por Daguerre e Niepce, foi à base para que tudo acontece-se. Depois vamos para Thomas Edison o mesmo que inventou a lâmpada, com a criação do filme perfurado daí foi um pulo para o Kinetoscopio uma grande caixa de madeira com uma ocular pela qual se vê uma cena animada gravada em loop. È um aparelho de visão individual que não permite uma projeção na tela e que funcionava como caça níqueis com moedas, em pouco tempo mais de 3 .000 destes caça níqueis estavam espalhadas pelos ESTADOS UNIDOS e EUROPA .

kinetoscopio-edison

A partir daí vieram os irmãos Lumiere com cinematografo este sim foi o primeiro passo para o cinema como conhecemos hoje ou seja numa sala de projeção aonde um grupo de pessoas assistiam ao filme. Filme este que era na verdade um registro de imagens e que estes registros de imagens, dando origem ao Primeiro grande gênero cinematográfico que é o documentário a saída da fabrica o ginasta foram os grandes documentários da época. A partir da popularização do cinema. O publico passou a exigir mais dos produtores estes começaram a produzir estórias de ficção a principio muito se usou do teatro, mas a possibilidades técnicas do cinema logo exigiram uma narrativa e uma linguagem própria para contar estas historia. Dai vieram Os princípios básicos do trabalho de montagem de um filme são desenvolvidos pelo americano Edwin Porter em A Vida do Bombeiro Americano e, um ano depois, em O Grande Roubo do Trem. Em 1915 - O Nascimento de Uma Nação, realizado por D.W.Griffith, é uma apologia do racismo que reúne inovações como uso de panorâmica e montagem alternada (princípios da linguagem cinematografica). Foi o primeiro filme a romper a barreira dos US$ 10 milhões de bilheteria e a ser exibido na Casa Branca 1916-Intolerância, de Griffith, épico sobre o preconceito, explora ainda mais os recursos reunidos em O Nascimento de uma Nação. Porque falamos tudo isto? Para entendermos as técnicas os conceitos que usamos hoje de produção áudio visual tem muita coisa legal ainda espero que gostem.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Titulo: Ir ao cinema 16,00 reais. Comer pipoca 20,00. Levar meu filho de 4 anos pela primeira vez no cinema e ainda por cima em 3D. NÃO TEM PREÇO

Texto: Levei meu filho de 4 anos pela primeira vez ao cinema para assistir o Alice no pais das maravilhas em 3D e ele emocionadíssimo com a nova experiência me dizia: “Papai papai quero pegar aquelas bolinhas que  estão voando” . A sua reação foi muito parecida quando da chegada das "fotografias animadas" causando estranhamento em grande parte das pessoas que depararam com a nova arte. No ano em que o cinema começou a ser visto e aplaudido pelo público, o crítico Máximo Gorki, exclamou: "Vocês não sabem como foi estranho estar lá." Ele acabava de sair da exibição das fotografias em movimento produzidas pelos irmãos Lumière, trens saindo da parede e indo de encontro a platéia espectadores com medo dos tiros, enfim quase uma histeria coletiva .Esta aventura começou em 1896 ate hoje o cinema não perde a magia de comunicar,envolver, apaixonar ,emocionar. Estamos presenciando uma grande evolução da 7º.arte o 3 D . Com ele muitas técnicas e tecnologias terão que ser revistas a narrativa a linguagem cinematografica os efeitos especiais quanta coisa. Mas não fiquemos preocupados com muitas tecnologias o cinema sempre evolui para garantir ao espectador cada vez mais emoções sem limites .