quarta-feira, 14 de julho de 2010

OS ELEMENTOS (PLANOS) QUE DETERMINAM A LINGUAGEM CINEMATOGRAFICA

Os elementos que determinam a linguagem cinematográfica, são cinco, e tem funções especificas para definir como a imagem vai aparecer na tela. Eu optei por utilizar uma nomenclatura em português, sempre que possível, para nomear os planos e ações decorrentes da utilização destes elementos.Em muitos livros existem as nomenclaturas em inglês ou francês, que também são validos.
1 ENQUADRAMENTO
É a ação de enquadrar uma imagem dando-lhe a dimensão exata de como ela será apresentada aos espectadores. Em suma é o plano que vai ser apresentado na tela do cinema ou da televisão. Para a escolha adequada deste plano ou forma de apresentar a imagem, existem tipos de enquadramentos que servem para evidenciar o que se quer transmitir.
PLANOS DE AÇÃO COSMICA OU ESPACIAL - São aqueles tomados de grande distância, sem nenhum compromisso sonoro ou visual com o contexto da História a não ser o de determinar geograficamente, onde transcorre a ação. Eles são basicamente três:
clip_image002GPG - Grande Plano Geral, podem ser cenas aéreas ou mesmo terrestres, aonde não se identificam vozes, sons ou personagens .Plano típico do cinema. Tem como principal função descrever o cenário. Por ser um plano com ângulo de visão muito aberto é praticamente impossível perceber a ação ou identificar os personagens. Devido à grande quantidade de pormenores, o GPG necessita de um tempo maior de projeção, para que o espectador perceba os detalhes da imagem. No cinema, normalmente, um grande plano geral tem uma duração variando entre 8 e 12 segundos.
PG - Plano Geral, embora mais próximo do que o plano anterior, serve apenas para apresentar o local onde ocorre a ação, sem identificar falas ou personagens. plano geral possui um ângulo de visão menor que o GPG. Percebe-se a figura humana,porém, é difícil reconhecer os personagens e a ação. O PG é um plano descritivo e serve, principalmente, para mostrar a posição dos personagens em cena. No cinema o PG tem duração de 5 a 9 segundos.

PC - Plano de Conjunto, também com a função de localizar a ação, por ser mais próximo, pode ser acrescido de ruídos, falas e gritos. O plano conjunto apresenta o personagem, ou um grupo de pessoas no cenário, e permite reconhecer os atores e a movimentação em cena. A ação, no entanto, não é visualizada nós mínimos detalhes. Por exemplo: se uma atriz coloca alguma coisa no bolso do paletó de um ator, percebe-se o movimento dos braços e das mãos, sem, no entanto, identificar-se o objetivo. É por este motivo que o PC é um plano com caráter descritivo e narrativo, com uma tendência maior para a descrição, já que as ações não são totalmente percebidas. No cinema a duração de um PC varia, em média, de 4 a 8 segundos.
A duração de cada plano e uma sugestão e o tempo exato  de cada plano fica a cargo do diretor ou montador e o critério e a narrativa que a direção de arte pretende dar ao filme.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

NARRATIVAS CINEMATOGRAFICAS

 

Os tipos de narrativas utilizam-se dos recursos de montagem, a manipulação do tempo/espaço, utilização da iluminação e outros meios para construir um enredo, contar uma história. As formas narrativas influenciam o psique do espectador para que ele tenha as sensações que o diretor deseja causar.

Os principais tipos de narrativa.

Linear – É a narrativa que tem apenas um fio condutor. A história tem um começo, meio e fim, sem interferências. Comerciais de TV 

Binária – É a narrativa em que desenvolve duas histórias paralelas independentes até chegarem num ponto de cruzamento e chegar ao final.

Circular – É a forma narrativa em que a história termina onde começou, fechando-se assim um círculo. A história reencontra o seu começo para terminar. Titanic Titanic

Inserção – É a narrativa na qual o tempo e o espaço são manipulados na edição de montagem e criando o seu ritmo. Estes filmes são também chamados de filmes de montagem. Uma característica fundamental é o fato de que para realizar estes tipos de filmes, todas as cenas que vierem a ser utilizadas são filmadas, com a mesma direção de fotografia ,não se lançando mão para arquivos ou “stock shots”.

Fragmentária – É caracterizada pela desorganização de imagens de diversas procedências, filmadas pela a equipe que vai realizar o filme, compradas de arquivos ou de “stock shots”.Alguns Vídeo clipes

Polifônica – É a forma narrativa onde são contadas diversas histórias se desenvolvendo simultaneamente. -pulp-fictionNão ocorre necessariamente uma ligação entre elas. Este tipo de narrativa exige muito conhecimento de como fazer e não é muito comum pela dificuldade. Pulp Fiction .Imagens de stockshot sao imagens compradas de bancos de imagens. 

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Cenas e seqüências por indiana Jones

Quando contamos uma historia a uma pessoa, nos preocupamos em contá-la de forma linear pois assim ela nos compreenderá melhor.Quando lemos um livro, temos vários capítulos e que somados, os capítulos darão o entendimento da estória. No cinema acontece o mesmo só clip_image002que chamamos de cenas e seqüências, uma seqüências e composta por varias cenas que contam uma pequena parte da historia e a soma das varias seqüências e que dará a compreensão do filme e assim o seu entendimento da estória.No cinema usamos cenas e seqüências ai temos a os rudimentos da narrativa e da montagem artística que são as historias paralelas criadas por Edwin Porter. Agora começamos a falar de linguagem cinematografica, a gramática das imagens. Como exemplo peguei um trecho do filme Indiana Jones e os caçadores da arca perdida Um clássico de aventura que emociona muito, alias a serie toda. Se lermos a claquete do filme, vamos ver as informações sobre cenas e seqüências.

 Seq.1

Seq.2

A montagem diz respeito a narrativa ou seja a forma como queremos que a nossa historia seja entendida pelo nosso publico. Estas narrativas podem ser de varias formas, linear ,binária ou polifônica .

terça-feira, 22 de junho de 2010

Viagem a lua

 

clip_image002[1]Quando surgiu o cinema o publico experimentou uma nova forma de emoção, o mais espetacular meio de comunicação que a humanidade já viu. Logo classificada como a 7º arte e não era para menos, historias contadas através de imagens, com sensibilidade,envolvimento , impacto e nelas pessoas desaparecem, monstros , viagens inimagináveis. E foi pelas mãos do francês Georges Méliès, um ilusionista que percebeu a potencialidade da câmara de filmar. Méliès criou a trucagem. A princípio foi um acaso. Certa vez, a câmara que usava parou. Quando voltou a funcionar, Méiiès prosseguiu seu trabalho normalmente. melier 3 Ao ver o filme pronto, percebeu que algumas coisas haviam mudado: os objetos e as pessoas não ocupavam mais as mesmas posições. Bastou isso para ter o grande clique. Se, em vez de parar o filme por acaso, o parasse sistematicamente e substituísse certos elementos, faria surgir e desaparecer coisas, como um ilusionista. Ora, Mélíès era um ilusionista, antes de ser cineasta. Isso foi o suficiente para desenvolver o processo e fazer de seus filmes espetáculos de pura magia. Desde 1896, Méliès encantou o público com vários filmes em que um diabo bem – humorado aparecia e tirava as coisas do lugar. Ele nos levou à Lua (nossa primeira Viagem Lua), deu imagem às Viagens de Gulliver às aventuras de Robinson Crusoé, Vinte mil léguas submarinas.  Conta a história de um grupo de homens, liderados pelo prof. Barbenfouillis (interpretado pelo próprio Méliès), que viajam até à Lua, onde têm o prazer de assistir ao nascer da Terra no horizonte, são capturados por Selenitas e conseguem escapar. A viagem consistiu em serem disparados dentro de uma cápsula, por um grande canhão; daí deriva esta imagem, muito famosa (surge inclusivamente no videoclipe da música "Heaven for Everyone", dos Queen, juntamente com outras cenas do filme), da Lua com essa cápsula 'enfiada' no olho direito.George Méliès pretendia lançar este filme nos Estados Unidos da América e tirar daí algum proveito financeiro. Infelizmente, técnicos cinematográficos americanos já tinham feito cópias do filme (secretamente) (pirataria ),melier 4 que foram exibidas por todo o país no espaço de poucas semanas. Méliès nunca lucrou um centavo com a exibição do filme nos EUA. Nota: Meliés é efetivamente um cineasta importantíssimo, mas não era especialista em ficção científica. Era sim, especialista em fantasia (no geral), um ex-ilusionista Magico que iniciou o uso das 'trucagens' (efeitos especiais) no cinema. Numa homenagem merecida Tom Hanks produtor da serie da “Terra a lua “ produzida por para TV abriu com imagens do filme de Mélíès, alias a serie é ótima recomendo .

“Senta que la vem historia”

Muito se fez ate chegada do cinema no formato que conhecemos hoje, e um conceito básico fundamental foi descoberto pelo cientista inglês Peter Mark Roger sobre o fenômeno da persistência retiniana (a fração de segundo em que a imagem permanece gravada na retina ¼ de avos de segundo). Baseados na descoberta, alguns aparelhos são criados para captar a imagem do movimento. Por outro lado, o surgimento da fotografia, desenvolvida por Daguerre e Niepce, foi à base para que tudo acontece-se. Depois vamos para Thomas Edison o mesmo que inventou a lâmpada, com a criação do filme perfurado daí foi um pulo para o Kinetoscopio uma grande caixa de madeira com uma ocular pela qual se vê uma cena animada gravada em loop. È um aparelho de visão individual que não permite uma projeção na tela e que funcionava como caça níqueis com moedas, em pouco tempo mais de 3 .000 destes caça níqueis estavam espalhadas pelos ESTADOS UNIDOS e EUROPA .

kinetoscopio-edison

A partir daí vieram os irmãos Lumiere com cinematografo este sim foi o primeiro passo para o cinema como conhecemos hoje ou seja numa sala de projeção aonde um grupo de pessoas assistiam ao filme. Filme este que era na verdade um registro de imagens e que estes registros de imagens, dando origem ao Primeiro grande gênero cinematográfico que é o documentário a saída da fabrica o ginasta foram os grandes documentários da época. A partir da popularização do cinema. O publico passou a exigir mais dos produtores estes começaram a produzir estórias de ficção a principio muito se usou do teatro, mas a possibilidades técnicas do cinema logo exigiram uma narrativa e uma linguagem própria para contar estas historia. Dai vieram Os princípios básicos do trabalho de montagem de um filme são desenvolvidos pelo americano Edwin Porter em A Vida do Bombeiro Americano e, um ano depois, em O Grande Roubo do Trem. Em 1915 - O Nascimento de Uma Nação, realizado por D.W.Griffith, é uma apologia do racismo que reúne inovações como uso de panorâmica e montagem alternada (princípios da linguagem cinematografica). Foi o primeiro filme a romper a barreira dos US$ 10 milhões de bilheteria e a ser exibido na Casa Branca 1916-Intolerância, de Griffith, épico sobre o preconceito, explora ainda mais os recursos reunidos em O Nascimento de uma Nação. Porque falamos tudo isto? Para entendermos as técnicas os conceitos que usamos hoje de produção áudio visual tem muita coisa legal ainda espero que gostem.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Titulo: Ir ao cinema 16,00 reais. Comer pipoca 20,00. Levar meu filho de 4 anos pela primeira vez no cinema e ainda por cima em 3D. NÃO TEM PREÇO

Texto: Levei meu filho de 4 anos pela primeira vez ao cinema para assistir o Alice no pais das maravilhas em 3D e ele emocionadíssimo com a nova experiência me dizia: “Papai papai quero pegar aquelas bolinhas que  estão voando” . A sua reação foi muito parecida quando da chegada das "fotografias animadas" causando estranhamento em grande parte das pessoas que depararam com a nova arte. No ano em que o cinema começou a ser visto e aplaudido pelo público, o crítico Máximo Gorki, exclamou: "Vocês não sabem como foi estranho estar lá." Ele acabava de sair da exibição das fotografias em movimento produzidas pelos irmãos Lumière, trens saindo da parede e indo de encontro a platéia espectadores com medo dos tiros, enfim quase uma histeria coletiva .Esta aventura começou em 1896 ate hoje o cinema não perde a magia de comunicar,envolver, apaixonar ,emocionar. Estamos presenciando uma grande evolução da 7º.arte o 3 D . Com ele muitas técnicas e tecnologias terão que ser revistas a narrativa a linguagem cinematografica os efeitos especiais quanta coisa. Mas não fiquemos preocupados com muitas tecnologias o cinema sempre evolui para garantir ao espectador cada vez mais emoções sem limites .

A linguagem das imagens

 

Poucos conhecem e todos entendem .Sabemos que um plano detalhe da arma jogada num canto da sala no momento do crime será a chave para desvendar o crime que acaba de ocorrer. A partir dela vamos construindo estória na nossa imaginação.planos e enquadramentos

Conhecemos linguagem cinematografica antes mesmo de sermos alfabetizados em nossos primeiros desenhos animados ela esta lá. E tudo começou com David Griffith (1875-1948),foi ele quem começou a contar varias historiais paralelas. Calma eu explico, se você olhar um filme ou novela você vai perceber que as historias são contadas aos pedaços e estes chamamos de seqüências que são compostas por cenas. Uma seqüência e um conjunto de cenas que tem relação uma com a outra e que contam um pedaço da historia. E o conjunto de seqüências e que teremos a compreensão fílmica ou seja a estória. Podemos fazer um paralelo com um livro aonde ao final de vários capítulos teremos a compreensão da estória. Falar de linguagem cinematografica em tempos de 3D .

O mais curioso e que com o passar dos anos evoluções nos meios de comunicação cinema, televisão e outros meios de comunicação a linguagem cinematografica continua a mesma.A mesma? O que podemos dizer sobre 3 D será que os conceitos vão mudar ?

Sob o ponto de vista de estória roteiro e alguns conceitos ainda serão os mesmos.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Dia de treinamento 3

Um dos temas tratados ontem era ENTUSIASMO  (o segredo para o sucesso)  e uma das  atividades era apresentar um desafio pessoal  ou profissional importante.
Olhares atentos da coaching  e dos assistentes e a cada apresentação um comentário  uma orientação precisa e correta.
Os relatos dos participantes falavam sobre temas dos mais variados que iam desde historias de vida e de sucesso, mudanças de atitude,relacionar-se com chefe,relacionar-se  com pessoas,fazer mais amigos,   metas á alcançar, mudança de emprego, arrumações em armários  mudanças de atitude que para mim pareciam simples mas que  eu nunca tinha feito.Fazendo uma análise no que vi ontem, num grau maior ou menor tudo que ouvi se encaixa nas minhas mudanças de atitude.E refletindo sobre  minhas atitudes eu não percebia a importância do conjunto ficava focado em meus pensamentos negativos e achava que a solução seria somente elimina-lós e junto com minha fé no trabalho e no meu profissionalismo  estaria resolvido .
Simples ???
Mas não.... O segredo  esta em arrumar o armário (todo o armário)
O que aprendi ontem ?
Que participar  do curso exige  comprometimento pessoal com mudanças de pensamentos  de atitude e  fé em nossos talentos .
Já comecei ontem mesmo
Obrigado por mais esta percepção

Dia de treinamento 2

Deixei pra contar tudo no dia de treinamento 3 (e já publiquei) 

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Dia de treinamento

Longe de ser parecido com o filme o dia de treinamento para mim foi muito esperado. Explico pelas minhas atividades com empresário professor e  empreendedor nunca tinha tempo, e porque não dizer pela minha preguiça nunca havia  participado de uma atividade que me permitisse rever minha  autoconfiança minhas relações humanas, liderança gerenciamento de stress e por ultimo minha comunicação .
Quantas vezes me senti solitário e achando que era o ultimo dos homens porque andava desmotivado e triste carregando um fardo enorme. Pois e assim que me sentia. E eu  que achava que era  privilégio meu de não dormir a noite achar que o mundo queria me sacanear, sonhando com contas não pagas derrotas sentimentos de fracasso e no dia seguinte trabalhar trabalhar e trabalhar  com mais coragem pra viver. 
Falei com um amigo que queria muito me ajudar e ele disse vá para o Dale Carnegie course  e até que gostava da idéia, mas nunca tive tempo, (bobagem porque tempo não o que sobra e o que priorizamos).  
E lá fui eu no meu 1o. dia de treinamento, 40 pessoas na sala e me sentia olhando num espelho todos ali com sentimentos parecidos aos meus. A menina do meu lado trabalhando numa multinacional  sonhando com seu negocio próprio e eu sonhando com aquele salário dela (no bom sentido)Imaginem.
Sempre achei que treinamento seria muito bom  mas não imaginava o quanto,  comecei a olhar para mim mesmo.
E olha que foi só o primeiro dia , quero mais que venham os próximos.
Bem não preciso nem dizer que agradeço a este amigo de coração.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Qual e o nosso negocio ?

Alguns podem responder. Fazer vídeos! Definitivamente não.. Nosso negocio e comunicação e em tempos de internet nosso produto esta cada vez mais em evidencia.
A internet e o grande mercado la têm sites de empresas com suas mensagens institucionais sites vendedores e é la que compramos produtos ou decidimos o que comprar ou quais prestadores de serviço que melhor nos atende e tudo de forma virtual sem que possamos tocar o produto ou conversar com o vendedor. E ali que o nosso trabalho faz a diferença. Com videos, demonstramos  produtos  e transformamos o ato de comprar e consumir menos virtual. e dinamizamos nossa comunicação com o cliente.
Pesquisas interativas requisitadas pela gazeta mercantil revelam que o numero de pessoas que preferem uma mídia com dinâmica visual e que agregue algum tipo de informação ou entretenimento aumenta diariamente e prevê que o total de horas gastas com conteúdo baseadas em vídeo e Imagem em movimento chegará a 8 horas por dia ate 2013 e a maior parte destas horas e com vídeo online.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Vender vender vender ...Tecnologias ?

Vamos falar um pouco sobre captação de novos clientes. Esta é uma atividade nas empresas que é vista como algo chato, mas necessário. Num negócio, seja ele grande ou pequeno, é uma área que muitos deixam de lado por achar que a atividade fim é mais importante. Em tempos bicudos aonde tudo é feito por concorrência, vender e vender bem é o lema. Falar sobre vendedores em tempos de banco de dados, CRM, telemarketing, mailmarketing, pode ser antiquado, mas sem um bom vendedor, estas acões de comunicação não tem muita serventia. Sou da opinião que um bom vendedor é aquele que saía cedinho de casa, visitava o máximo de clientes e no final do dia mandava o pedido via correio. Conheci muitos vendedores de sucesso (leia-se: ganharam dinheiro) que trabalharam desta forma, administrando clientes com uma cadernetinha, cartões de visita e muita sola de sapato. Mas o fundamental é que eles conheciam seus clientes . Claro que os tempos são outros, mas o conceito continua o mesmo. Precisamos nos adaptar a tecnologia. No lugar de visitar clientes de porta em porta todos os dias, temos a internet e é lá que visitamos e somos visitados. A divulgação do site pelo Google e Yahoo é peça chave para captar novos clientes e gerar vendas. Na prática as coisas ficam mais fáceis desde que usemos a tecnologia a nosso favor. De que adianta um meio de comunicação como a internet se a usamos somente para enviar e-mails? A tecnologia esta aí para ser usada. Manter-nos atualizados sobre tecnologia deve ser um hábito diário. Elas mudam todos os dias. Este acompanhamento é fundamental para o crescimento do nosso negócio. O mercado apresenta soluções interessantes que vão desde programas gratuitos, serviços, informações para qualquer pessoa ou empresa não importando o tamanho e o custo, que em alguns casos pode ser ZERO. Portanto é simples e façil, é só começar.

reencontro com a 7 arte

Fazia tempo que nao assistia ao Cinema Paradiso, e outro dia passeando pela livraria cultura, encontrei a versao em DVD. Este é o filme ! E la reencontrei as cenas magicas, dialogos maravilhosos, uma fotografia inesquecivel passando aquele sentimento maravilhoso de viver uma historia digna de fazer brotar todos os mais belos sentidos e sentimentos.Com uma direçao de arte delicada o diretor Giuseppe Tornattore conta varias historias emocionadas que se encontram no final do filme dando uma sensação de alegria e paz para o espectador. O amor pelo cinema o amor por uma mulher e um delicioso reencontro do passado cheio de lembraças doces e amargas .E cinema italiano com toda a sua essencia .Emocionou no lançamento, emocionou no cinema e emociona todas as vezes que assisto.Nao percam.

Arquivado sob Sem Categoria

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

[11/2/2010 22:19:24] TAKE SEVEN Ricardo Del Bianco: "O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta, e esfria, aperta e dai afrouxa, sossega depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem[...]" Guimarães Rosa.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Empreendedores sonhadores

O empreendedor necessita de algumas ferramentas para concretizar o seu negocio, bons produtos, dinheiro,tecnologia,conhecimento e acima de qualquer coisa sonhos. E que se transformam em realidade.
Foram quase 10.000 mil quilômetros e algumas horas de gravação com muitas historias de empresários corajosos que com o apoio do Sebrae estão mudando a cara deste país. Em Sertãozinho vi outro, Brasil diferente daquele que vemos nos noticiários de crise, aonde o empreendedorismo e a palavra de ordem, e olhem que para empreendedor não tem tempo ruim, tem trabalho, investimento, bons negócios e visão para o futuro. Entrevistei o Sr Mario Garrefa empresário na área de metalurgia O negocio dele é fabricar barris de aço.E com a inquietação de todo empreendedor foi buscar no agro negocio no biodiesel um novo negocio, e foi buscar junto a pesquisa científica o apoio necessário para alavancar o seu negocio. Claro que deve passar por todas as dificuldades inerentes a sua atividade mas senti no seu depoimento um entusiasmo uma confiança típicas de um sonhador.
Os seus cursos do SEBRAE mostram um novo caminho ao empresário que passa por formas de gestão, administração de custos , de pessoas, conceitos de marketing e de vendas atendimento ao cliente modernos e atualizados. E com muita coragem ousaram aplicar este conhecimento no seu negocio. Lembro de ter visto estes conceitos em sala de aula na ESPM na ESAMC em rodas de professores com exemplos da Unilever, Ford, Nestlé .de forma distante e de difícil percepção. E pelo SEBRAE vejo estes conceitos aplicados nas óticas , sorveterias , lojas de roupa, farmácias escritórios de contabilidade e com muito sucesso .

amigos

Com voces puderam ver mudei a hospedagem do blog e muderei tambem o conteudo, desta vez trazendo algumas dicas e informações legais.
Fiquem a vontade, visitem aproveitem troquem informações.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

No primeiro dia de gravação sentimos uma ansiedade de todos, da equipe ao diretor passando pelo cliente e até pelos funcionários. Afinal estamos relatando algo da empresa aonde pessoas trabalham aonde todas conhecem muito bem todas as rotinas da empresa. Imagine pessoas estranhas entrando na sua casa para contar a sua historia. O vídeo empresarial e bem assim, e nossa visão sobre o negócio que não entendemos. Ao longo dos anos adquirimos uma espécie de cultura pizza, larga e raza em varias áreas, de merda passando por industria farmacêutica industria automobilística. E por conta dela que aprendemos contar sobre o negocio dos outros. A produção de um vídeo e um processo em constante transformação, do briefing, do cliente, ao roteiro e passando pela captação de imagens edição e a finalização, este um processo de constantes criações aonde a equipe e diretamente responsável pela criação do vídeo junto com o roteirista. Por isto considero uma obra de vários autores. Mas vamos a esta ansiedade até porque este é um processo de construção que o cliente desconhece. Pegar um punhado de imagens colocá-la numa ordem tal que o espectador entenda uma mensagem.
O vídeo, da idéia ao produto final, aprovado pelo cliente, passa por varias fases a primeira delas o roteiro. Afinal como marcarmos uma viagem saber para onde vamos? Um roteiro e fruto de uma criação baseada em briefing, que por sua vez e processado (criado) e chegamos a um roteiro. Um processo é individual meio egoísta, só o roteirista tem a historia na cabeça. Quando começamos a pré-produção, naquele processo de estudo do roteiro o diretor pensando nos melhores ângulos a equipe passa a criar, numa tomada diferente ou algum movimento de câmera mais ousado. São todos da equipe focados na criação da mensagem do cliente e no seu melhor entendimento. Passada a gravação vem à edição ou montagem, outra mágica, colocar aquelas seqüências todas numa ordem onde a mensagem seja compreendida, linguagem cinematográfica ai esta a mágica. Sabemos e a usamos todos os dias, mas não identificamos, mas lá esta ela... Ajudando-nos a formatar a mensagem.