quinta-feira, 26 de setembro de 2013

respeito profissional

Tudo começou quando apareceu  meu Facebook um post  da Carla Zatorre, minha ex aluna e uma profissional competentíssima com uma sensibilidade a flor da pele, que falava sobre profissionalismo dedicação, respeito profissional. formação etc. e como professor estes assuntos estes  me interessam muito Achei pertinente e transcrevi aqui no meu blog..Bem achei que deveria colocar todos os comentários.
me perdoem por colocar todos os comentários e com os respectivos nomes identificados sem as devidas autorizações.
Leiam e muito  legal

Segue......
  • Trabalho há 4 anos com redes sociais, há 8 anos estudo quase que diariamente sobre storytelling, comportamento do consumidor, branding, conteúdo, estatísticas (sim, tem matemática), marketing e todas as tendências: das mais populares como novelas as mais futuristas. Passo horas na Internet e não é por motivos de vício e sim porque é o meu trabalho.
    E todos os dias tem alguém que questiona o meu trabalho, como se fosse fácil ser um profissional de redes sociais... nenhuma profissão é fácil.
    O ponto é seguinte, hoje as marcas estão cada vez mais se humanizando e o consumidor está cada dia mais carente, logo a matemática é fácil. Consumidor carente + marcas se humanizando= precisamos falar a língua deles!!!
    É por isso que para conseguir uma conta o Itaú faz batalha de rima com o Santander. É por isso que o Pinguim fala, brinca com qualquer pessoa. Pra atingir o público feminino o Magazine Luiza tem Lu. O CCE entrou nas redes sociais com o "Carlão", o intuito é facilitar a conversa com usuário.
    Muitas empresas preferem personificar suas marcas através de personagens, outras como o Itaú preferem simplesmente criar uma imagem na imaginação do consumidor. Isso vai de cada estratégia da marca.
    Eu estudei anos pra entender e quais conversas eu posso ou não entrar, estudei muito pra saber de qual forma eu me comunico com um jovem e com um adulto.
    O triste é que as pessoas desdenham o seu trabalho achando que só pq vc é "brincalhona" você está fazendo besteira. Isso é triste...
    Tudo bem, um dia as pessoas entenderão o quanto é importante falar com todas as idades da forma que elas querem ser ouvidas.

    Desabafo que metade não vai ler.

 

domingo, 15 de setembro de 2013

A aposentadoria dos mitos do rádio


LAURA MATTOS
da Folha de S.Paulo


A pergunta é: o que está por trás da notícia da aposentadoria do radialista carioca Haroldo de Andrade, que, aos 69 anos, 54 de rádio, 42 de Globo AM, pendurou o microfone?
Certamente muito mais do que suas questões pessoais. O fim de seu programa diário e histórico na Globo marca uma tendência no rádio: a destruição dos mitos.
O dial sempre esteve ligado a nomes fortes regionalmente. Locutores mais importantes do que o título do programa, a identidade da programação, a emissora.
São todos, de certa forma, "discípulos" de Haroldo de Andrade. Todos, de certa forma, estão se aposentando com ele.
O setor começa a se conscientizar de que as rádios não podem mais ter como alicerce único os "Elis Correas" e "Paulos Lopes", só para citar mitos de São Paulo.
Em processo cada vez mais forte de profissionalização, de formação de rede, como sustentar uma emissora apenas com grandes nomes de identidade regional?
A Globo já sabe disso e outras começam a perceber que é importante fortalecer os programas, o perfil da programação, para buscar os melhores nomes de cada região. Mas a procura agora é por profissionais que saibam se adaptar aos formatos das emissoras.
Assim, o mundo não vai acabar quando o locutor querido dos ouvintes receber outra proposta e for para a concorrência. E o anunciante terá mais estímulo para topar os pacotes nacionais, já que saberá que lá na afiliada do interior do Acre há um radialista inserido em um projeto de rede.
Os publicitários, que adoram uma novidade, criaram uma palavra para a tendência: "glocal". É a GLObalização da programação que mantém a identidade loCAL.
Na televisão, a MTV é um bom exemplo. Trata-se de uma rede mundial, com formato de programação semelhante dos Estados Unidos à Ásia, que consegue ter uma forte identidade nacional.
É claro que o rádio é bem mais íntimo do ouvinte do que a TV do telespectador. E é claro que favorece uma relação profunda com a voz do locutor. Isso provavelmente é eterno, faz parte da natureza do meio. Mas na era da entrada do capital estrangeiro na mídia, da concorrência quase "armada", o papel de herói certamente sofrerá mudanças.
O GPR (Grupo dos Profissionais do Rádio, www.gradio.com.br) abre na próxima segunda-feira inscrições para o 4º Prêmio Criatividade em Rádio. A entidade escolherá os anúncios mais criativos do dial, para incentivar o investimento do mercado publicitário em AMs e FMs.

sexta-feira, 26 de abril de 2013





"Bill Gates foi convidado por uma escola secundária para uma palestra. Chegou de helicóptero, tirou o papel do bolso onde havia escrito onze itens. Leu tudo em menos de 5 minutos, foi aplaudido por mais de 10 minutos sem parar, agradeceu e foi embora em seu helicóptero. O que estava escrito é muito interessante, leiam:

1. A vida não é fácil — acostume-se com isso.

2. O mundo não está preocupado com a sua auto-estima. O mundo espera que você faça alguma coisa útil por ele ANTES de sentir-se bem com você mesmo.

3. Você não ganhará R$20.000 por mês assim que sair da escola. Você não será vice-presidente de uma empresa com carro e telefone à disposição antes que você tenha conseguido comprar seu próprio carro e telefone.

4. Se você acha seu professor rude, espere até ter um chefe. Ele não terá pena de você.

5. Vender jornal velho ou trabalhar durante as férias não está abaixo da sua posição social. Seus avós têm uma palavra diferente para isso: eles chamam de oportunidade.

6. Se você fracassar, não é culpa de seus pais. Então não lamente seus erros, aprenda com eles.

7. Antes de você nascer, seus pais não eram tão críticos como agora. Eles só ficaram assim por pagar as suas contas, lavar suas roupas e ouvir você dizer que eles são “ridículos”. Então antes de salvar o planeta para a próxima geração querendo consertar os erros da geração dos seus pais, tente limpar seu próprio quarto.

8. Sua escola pode ter eliminado a distinção entre vencedores e perdedores, mas a vida não é assim. Em algumas escolas você não repete mais de ano e tem quantas chances precisar até acertar. Isto não se parece com absolutamente NADA na vida real. Se pisar na bola, está despedido… RUA!!! Faça certo da primeira vez!

9. A vida não é dividida em semestres. Você não terá sempre os verões livres e é pouco provável que outros empregados o ajudem a cumprir suas tarefas no fim de cada período.

10. Televisão NÃO é vida real. Na vida real, as pessoas têm que deixar o barzinho ou a boate e ir trabalhar.

11. Seja legal com os CDFs (aqueles estudantes que os demais julgam que são uns babacas). Existe uma grande probabilidade de você vir a trabalhar PARA um deles."

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013


1º. Dia de trabalho, abrimos as gavetas, aquelas mesmas que limpamos no fim do ano com promessa de mudança de vida, de hábitos mais saudáveis, emagrecer, ser mais paciente, amar mais e melhor, achar novos amores e renovar amores antigos. Arrumar aquela pendência  que deixamos de lado Enfim promessas sempre colocadas no futuro. Faço um convite, vamos esquecer o futuro. O presente que nós interessa é  hoje e agora. Tenha um presente ótimo e te garanto que seu futuro será melhor. Em vez de prometer, vamos agir agora.
E o passado??  Esta lá, a crise, as perdas e as tristezas, vamos deixa-las lá mesmo !! Já dizia um escritor (Drumond eu acho) O passado e um farol de um carro que anda pra frente iluminando para traz. 
Vamos em frente em 2013 com entusiasmo e sucesso.
Feliz 1º. Dia de trabalho a todos.
www.takeseven.com.br